© Paulo Sousa Coelho

Afonso Cruz

BIO (3.ª pessoa)

Nasceu em 1971, na Figueira da Foz e haveria, anos mais tarde, de ser estudante de artes e de viajar por cerca de 80 países. Além de escritor, é também ilustrador, músico e cineasta. Desde 2008, ano em que se iniciou na escrita, publicou mais de vinte livros. Estreou-se com o romance A Carne de Deus, ao qual se seguiria, em 2009, Enciclopédia da Estória Universal, galardoado com o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco. Em 2011, publicou Os Livros Que Devoraram o Meu Pai (Prémio Literário Maria Rosa Colaço, Finalista do Prémio Fundação Cuatro Gatos 2016, selo «Altamente Recomendados 2017» da Fundación para el Fomento de la Lectura, Fundalectura, na Colômbia e seleção para o catálogo IBBY México 2017), A Contradição Humana (Prémio Autores SPA/RTP, seleção White Ravens 2011, menção especial do Prémio Nacional de Ilustração, Lista de Honra do IBBY e Prémio LER/Booktailors na categoria Melhor Ilustração Original) e O Pintor Debaixo do Lava-loiças, distinguido em 2016 com o Selo Cátedra 10, da UNESCO, e com o prémio FNLIJ (Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil do Brasil).

Em 2012, foi distinguido com o Prémio da União Europeia para a Literatura pelo livro A Boneca de Kokoschka, publicando também nesse ano  Enciclopédia da Estória Universal: Recolha de Alexandria e o romance Jesus Cristo Bebia Cerveja, que foi distinguido com o Prémio Time Out — Livro do Ano, e considerado o Melhor Livro do Ano pelos leitores do jornal Público. Em 2013 publicou Enciclopédia da Estória Universal: Arquivos de Dresner, O Livro do Ano, O Cultivo de Flores de Plástico (teatro) e Para onde Vão os Guarda-chuvas (vencedor do Prémio Autores para Melhor Livro de Ficção Narrativa e finalista do Grande Prémio de Romance e Novela da Associação Portuguesa de Escritores e do Prémio Literário Fernando Namora) e Assim, Mas Sem Ser Assim.

Afonso Cruz foi o vencedor do Prémio Nacional de Ilustração 2014 pela obra Capital (Pato Lógico, 2014), no mesmo ano em que publicou Enciclopédia da Estória Universal: Mar. Seguiram-se Flores, vencedor do Prémio Literário Fernando Namora 2016, A Cruzada das Crianças, Barafunda, Enciclopédia da Estória Universal: As Reencarnações de Pitágoras, a novela juvenil Vamos Comprar um Poeta, o romance Nem Todas as Baleias Voam, finalista do Prémio Oceanos, e Enciclopédia da Estória Universal: Mil Anos de Esquecimento.

Nos últimos dois anos, publicou o livro de não-ficção Jalan, Jalan: Uma Leitura do Mundo e o sétimo volume da Enciclopédia da Estória Universal: Biblioteca de Brasov.

Os direitos dos seus livros foram vendidos para diversos países.

 

BIO (1.ª pessoa)

Chamo-me Afonso Cruz, tenho 47 anos, e sou escritor, ilustrador e músico (pertenço à banda The Soaked Lamb). Trabalhei durante mais de uma década em cinema de animação. Apesar de viajar bastante (estive em cerca de 80 países), vivo isolado, no campo, no meio de oliveiras e sobreiros, numa região chamada Alentejo, onde ainda se vê o céu. O meu vizinho mais próximo é um pastor de ovelhas, que vive a dois quilómetros da minha casa.

Publiquei mais de vinte livros: romances, novelas, não-ficção, teatro, infantil-juvenil. Dedico-me ainda à criação de uma enciclopédia de História Universal, onde tudo é inventado, desde os autores citados, às obras, à bibliografia, e cujos volumes são publicados anualmente (este ano saiu o sétimo). Recebi diversos prémios pelos meus livros, que estão publicados em vários países. Alguns títulos de exemplo: Jesus Cristo Bebia Cerveja, O Pintor Debaixo do Lava-Loiças, Vamos Comprar um Poeta, Os Livros que Devoraram o Meu Pai, Para Onde Vão os Guarda-Chuvas.

Entre os livros que publiquei, um deles tem apenas uma palavra, que está no título: chama-se Capital, como a mais conhecida obra de Marx. É um livro silencioso, composto por ilustrações que contam uma história muito, muito triste sobre as nossas prioridades e o nosso destino.

Faço a minha própria cerveja e gosto de cozinhar.

×