© Raquel Wise

Hélia Correia

BIO (3.ª pessoa)

Licenciada em Filologia Românica, foi professora do ensino secundário, dedicando-se atualmente à tradução e à escrita. Foi uma das colaboradoras mais activas do suplemento «Juvenil» do Diário de Lisboa. Sendo também poetisa e dramaturga, foi enquanto ficcionista que Hélia Correia se revelou como um dos nomes mais importantes e originais da década de oitenta, ao publicar, em 1981, O Número dos Vivos.

Autora de uma obra de características muito próprias, quer pela qualidade melódica da sua escrita, onde se deteta uma sensível contaminação poética, quer pelo universo nela criado, de características originais e inquietantes, Hélia Correia cria uma linguagem narrativa onde o ordinário e o extraordinário ultrapassam por vezes as fronteiras estabelecidas.

Esta espécie de subversão dos limites revela-se nos seus livros, ora criando rupturas num quotidiano convencional e burguês (como em Soma ou A Fenda Erótica), ora denunciando a corrupção das formas de vida mais tradicionais e ligadas à terra dos camponeses e aldeões da nossa época (como em Montedemo ou Insânia, onde a tonalidade finissecular da narrativa é sensível na espécie de veneno que se insinua em toda a narrativa, contaminando todas as condições de sobrevivência humana).

Lillias Fraser recupera o género do romance histórico-fantástico, onde se revisita exemplarmente a História e a Literatura, que se desfiam e desdobram em acontecimentos e personagens que influenciam o decurso da vida de Lillias. Desde a Escócia da Batalha de Culloden até à Lisboa do terramoto de 1755, assim vai crescendo Lillias no meio das guerras e das ruínas de um mundo em mudança.

Participou em 10 Poemas para Che Guevara, Porto: Ed. O Oiro do Dia, 1980; e em Vozes e Olhares no Feminino, Porto: Edições Afrontamento, 2001.

A sua escrita para teatro tem sido levada à cena por várias companhias de Lisboa: Montedemo, numa adaptação, pelo grupo de teatro «O Bando» em 1987, e, já na década de 90, Perdição, Exercício sobre Antígona pelo grupo «A Comuna» e Florbela, pelo grupo «Maizum».

BIO (1.ª pessoa)

Quando alguém se interessa mais pela biografia que pela obra do autor, significa que esse alguém se interessa — pelo que não interessa. Considero ocioso que me peçam biografias, que escrevam biografias, que necessitem de biografias. E, ainda que se diga habitualmente que toda a obra é autobiográfica, digo o contrário. E a minha não o é. Os universos de que falo não são os meus, não conheci aquelas mulheres fortes nem aqueles interiores concentracionários. Há só uma excepção, o livro Adoecer. Nele, projecto-me, de facto, numa vida — mas essa vida tão pouco foi minha.     

Não escrevo para resolver os meus problemas; eu nem tenho problemas. Não escrevo para escapar à morte; ninguém sabe quem é que escapa à morte. Não escrevo com qualquer finalidade. Porque não utilizo a escrita: sirvo-a. Não a procuro: espero-a. Não sei quando, nem como ou por que escrevo. Isso nem é, sequer, uma questão.

O que existe em mim antes das palavras não tem de vir a público. Confunde-se o escritor com a figura do espetáculo. Ora o escritor não é figura do espetáculo. Se não precisa de esconder-se, dando, assim, nas vistas de outro modo, muito menos precisa de exibir-se.

11:00H | Entrevista a Hélia Correia

Programa Literário 29 novembro

Pavilhão de Portugal | Entrevista |

Convidados: Hélia Correia

Moderação: Silvia Castillero


17:30H | Cada geração reinventa o mundo?

Programa Literário 30 novembro

Salão 1 | Conversa |

Convidados: Hélia Correia / João Tordo

Moderação: Elmer Mendoza


×