© Roberto Keller

Paula Duque

BIO (3.ª pessoa)

Paula Duque é licenciada em Biologia de plantas e doutorada em Fisiologia e Bioquímica pela Universidade de Lisboa. Estudou também na Alemanha (Colónia), na Nova Zelândia (Auckland) e, após o doutoramento, nos EUA (Nova Iorque), onde desenvolveu dois projetos de investigação na Rockefeller University e ensinou Biologia Molecular no Queens College. Regressou a Portugal em 2006 como investigadora principal do Instituto Gulbenkian de Ciência, para estudar as estratégias desenvolvidas pelas plantas para monitorizar e responder ao meio que as rodeia. Sempre se perguntou como estes organismos, não tendo capacidade de locomoção, conseguem tolerar in loco condições ambientais adversas. Usando como modelo uma erva daninha, a Arabidopsis thaliana, o seu grupo de investigação tem vindo a revelar como o controlo da expressão de certos genes permite às plantas sobreviver a situações extremas. Descobertas recentes incluem a identificação de mecanismos moleculares para resistir à seca, elevada salinidade, falta de nutrientes ou compostos tóxicos no solo. Na última década, trabalharam no seu laboratório jovens investigadores de 4 continentes e 12 nacionalidades, tendo publicado mais de 20 artigos científicos nas revistas internacionais mais prestigiadas do seu domínio de investigação. Tem ensinado em programas de pós-graduação na Europa e em África, e é oradora regular em conferências em Portugal e no estrangeiro. É membro de diversos comités científicos e editoriais internacionais e da European Molecular Biology Organization (EMBO). Paralelamente à atividade de investigação, gosta de comunicar com o público, nomeadamente jovem, sensibilizando-o para a importância do conhecimento científico em geral e de estudar as plantas em particular, sendo frequentemente convidada para conversas com alunos dos ensinos básico e secundário. De facto, se não fosse cientista, teria sido professora. Fora do laboratório, gosta sobretudo de ser mãe. E de perder tempo com a literatura. Ficção e poesia, quase sempre.

×